Ficha Técnica

1. Objetivos de Princípio

Rádio Valdevez, é uma estação emissora de música e palavra, dirigida à região de Arcos de Valdevez e às populações influenciadas pela sua cobertura radioeléctrica;
Tem como objetivo principal contribuir para o desenvolvimento sócio-cultural deste território Alto-Minhoto.
Tem ainda como prioridade, dar a conhecer a região onde se insere, fazendo igualmente chegar ao Mundo as nossas músicas e usos e costumes do território.

Ser totalmente independente dos vários poderes instituídos.
Proporcionar o recreio e o entretenimento, tendo a preocupação de contribuir para a educação da sensibilidade e do gosto artístico.

2. Auditório Alvo

Ouvintes de ambos os sexos, com idades compreendidas entre os 5 e os 100 anos, de todas as classes sociais.

3. Cobertura Radioelétrica

Alto Minho e Sul da Galiza

4. Estilo da Estação

É uma rádio de proximidade para todos os públicos.
A maioria das vozes, masculinas e femininas, bastante diversificadas, não obedecem a qualquer formatação prévia.
A linguagem é simples e clara, sendo dito apenas o estritamente necessário.
O ritmo acompanha a cadência da vida de um concelho e concelhos limítrofes do interior.
A música, de qualidade, é classificada segundo três parâmetros principais: o ano de produção; a origem ou expressão; o género musical.
As matérias informativas, nunca confundíveis com opinião, são abordadas numa visão global, mas tratadas na perspetiva regional.
A publicidade é distribuída ao longo da programação, por diversos blocos curtos, valorizando o produto radiofónico e a própria mensagem comercial.

5. Estatuto Editorial (aprovado em 31 de Março de 1990)

CAPÍTULO PRIMEIRO

DENOMINAÇÃO, FINS, SEDE E DURAÇÃO

ARTIGO PRIMEIRO

1 – É constituída a Associação denominada “RÁDIO VALDEVEZ – RV (ASSOCIAÇÂO CULTURAL DE RADIODIFUSÂO) ”, a qual será regulada pelos presentes estatutos.
2 – A Associação tem por fim principal, a produção, realização e transmissão de programas radiofónicos.
3 – Por deliberação da Assembleia Geral, por proposta da Direção, pode a Associação dedicar-se a outras atividades que visem o enriquecimento cultural do povo arcuense.
4 – A Associação tem a sua sede em Arcos de Valdevez
5 – A Associação tem duração ilimitada.

CAPÍTULO SEGUNDO

ORGÃOS SOCIAIS

ARTIGO SEGUNDO

São Órgãos da Associação:

a)      A Assembleia

b)      A Direção

c)      O Conselho Fiscal

ARTIGO TERCEIRO

DA ASSEMBLEIA GERAL

1 – A ASSEMBLEIA GERAL é o órgão supremo da Associação e nela participam tos os associados no pleno gozo dos seus direitos.

2 – Os trabalhos da Assembleia são dirigidos pela Mesa da Assembleia Geral, constituída por um presidente, um vice-presidente e um secretário.

3 – A Assembleia reunirá, ordinariamente duas vezes por ano.

4 – A Assembleia reunirá extraordinariamente, por iniciativa da Mesa, a pedido da Direção ou a requerimento de pelo menos, uma quinta parte dos associados.

5 – Nas situações previstas no número anterior, o presidente da Mesa convocará a Assembleia Geral no prazo de dez dias após a deliberação da Mesa.

6 – As reuniões ordinárias ou extraordinárias serão convocadas pelo presidente da Mesa, por meio áudio visual (Rádio e Jornal Local) com a antecedência mínima de dez dias.

7 – Se, à hora marcada e em primeira convocação para o início dos trabalhos da Assembleia Geral, não se encontrar a maioria dos associados, a reunião iniciar-se-á com qualquer número de associados, uma hora depois.

 ARTIGO QUATRO

DA DIREÇÃO

 1 – A Direção é o órgão administrativo e representativo da Associação, sendo constituída por um presidente, um vice-presidente, um secretário, um tesoureiro e três vogais.

2 – A Direção reunirá ordinariamente uma vez por mês e extraordinariamente sempre que solicitada pelo presidente, ou pela maioria dos seus membros.

3 – Para obrigar a Associação, basta a assinatura de qualquer dos membros da Direção, nos atos de mero expediente e, nos restantes atos, é necessária a assinatura conjunta de três desses membros, pelo menos: o presidente, ou vice-presidente, um secretário e o tesoureiro.

ARTIGO QUINTO

DO CONSELHO FISCAL

1 – O Conselho Fiscal é constituído por um presidente, um secretário e um relator.

2 – O Conselho Fiscal reúne, obrigatoriamente, uma vez por ano e reunirá, ainda sempre que o presidente o convoque, ou quando solicitado por qualquer dos outros membros.

 ARTIGO SEXTO

DAS ELEIÇÕES DOS ORGÃOS

 1 – A Mesa da Assembleia geral, a Direção e o Conselho fiscal são eleitos por um período de quatro anos.

2 – As listas de candidaturas aos Órgãos da Associação deverão ser entregues ao presidente da Mesa da Assembleia Geral com a antecedência de quinze dias em relação à data da eleição respetiva, devendo ser acompanhadas da declaração de aceitação dos candidatos e o seu programa de atividades.

CAPÍTULO TERCEIRO

ASSOCIADOS

ARTIGO SÉTIMO

Podem pertencer à associação todas as pessoas singulares capazes e ainda pessoas coletivas, devendo estas ser representadas por um dirigente credenciado.

 ARTIGO OITAVO

1 – Compete à Direção deliberar sobre as propostas de admissão de novos associados, as quais serão apresentadas por outro associado por escrito.

2 – Perde a qualidade de associado, todo aquele que apresentar, por escrito, o pedido de demissão, ou for atingido pelas normas disciplinares a definir no Regulamento Interno.

CAPÍTULO QUARTO

RECEITAS

ARTIGO NONO

 Constituem receitas da Associação as joias e as quotizações dos associados, bem como qualquer contributos, donativos e subsídios.

 ARTIGO DÉCIMO

1 – Cada associado pagará uma joia no ato de admissão, da importância de dez mil escudos (50 euros) e pagará uma quota mínima de 400 escudos (2 euros). Valores que podem ser alterados por deliberação da assembleia Geral, sob proposta da Direção. No quais estes números já fora sujeitos a uma alteração.

2 – Em casos especiais, a prever no Regulamento Interno e por deliberação da Direção, pode a joia ser paga em prestações mensais, até ao máximo de dez.

3 – Mas a qualidade de associado só é adquirida, nesse caso, após o pagamento integral da joia.

 

CAPÍTULO QUINTO

Disposições Finais e Transitórias

ARTIGO DÉCIMO PRIMEIRO

As propostas de alteração dos estatutos, deverão ser distribuída aos associados com a antecedência mínima de trinta dias, relativamente à data da reunião da Assembleia Geral respetiva.

 

ARTIGO DÉCIMO SEGUNDO

A assembleia Geral que deliberar extinguir a Associação, deliberará também sobre o destino do património social.

ARTIGO DÉCIMO TERCEIRO

No prazo de noventa dias, a contar deste ato de constituição, deverá a Direção apresentar à Assembleia Geral, para ser Discutido e aprovado um projeto de Regulamento Interno.

6. Propriedade, Gestão e responsabilidade

Operador titular da licença para o exercício da atividade de radiodifusão:
Radio Valdevez – Associação Cultural de Radiodifusão

 

Com sede e estabelecimento em:
Avenida Doutor Mário Soares – União de Freguesias de Arcos de Valdevez Salvador, Parada e Vila Fonche

4970-000 Arcos de Valdevez

Número de pessoa coletiva: 501911634
Registo na Conservatória do Registo predial/ Comercial de Arcos de Valdevez, relativamente à certidão requisitada sob o nº 523/2007

Diretor da estação e responsável pela informação:

Alberto Silva

Diretor de programação:

José Rocha

É titular única do capital social:
RV – Rádio Valdevez – Associação de Radiodifusão, com o número de pessoa colectiva:501911634
Registo na Conservatória do Registo Predial/ Comercial de Arcos de Valdevez

Composição dos Órgãos Sociais: 

Mesa da Assembleia-Geral

Presidente

Armindo Martins Rodrigues

Vice-presidente

Norberto Domingues de Brito

Secretário

Maria do Carmo

 

Direção

Presidente

José Alberto da Silva Peneda

Vice-presidente

José Gonçalo Mendes da Rocha

Tesoureiro

Anabela Garcia

Secretário

Maria Goret Veloso Dantas

Vogais

Jorge Quintas

António Sousa

Arlindo Galvão

 

Conselho Fiscal

Presidente

Alberto Lima Santana

Secretário

José Manuel Pereira

Relator

Filmino Leal